Senso Comum + Habitus = criação e manutenção do preconceito numa sociedade conservadora?

A imaginação Sociológica.

O termo é da autoria do sociólogo americano Charles Wright Mills.  A Imaginação sociológica significa olhar para as coisas de uma maneira diferente daquela a que estamos habituados na vida cotidiana, buscando olhar  numa perspectiva mais vasta para além do senso comum. Para compreendemos os nossos problemas pessoais, temos que nos situar num determinado período, num certo quadro histórico e numa determinada realidade social. A capacidade que temos em associar todos esses elementos e relacionar com o comportamento de um indivíduo Mills denomina de Imaginação sociológica. Uma outra característica atribuída por Mill é a de corresponder a capacidade de mudarmos a nossa perspectiva para uma nova, sempre na tentativa de conseguirmos uma visão total da sociedade e de todos os elementos que dela fazem parte. 

Essa é a primeira postura que um estudante de sociologia ( e eu diria não apenas estes mas toda a sociedade ) deve adquirir ao longo do curso e da sua carreira. Para isso, num primeiro momento, o individuo deve abster-se de todas as noções que ele adquiriu ao longo da vida com relação a uma determinada coisa, e passar a vê-la como algo desconhecido, algo parecido com a noção de Coisa de Emilé Durkheim.

Tomemos como exemplo o próprio estudo de Durkheim sobre o suicídio. Ao estudar tal objeto, o cientista percebeu que não se tratava de algo particular, de uma família, mas de um problema de Estado, um problema que a sociedade deveria enfrentar. Outro exemplo, eu moro na cidade de Santa Maria, sua população gira em torno de 400 mil pessoas atualmente. Em 2010 sua taxa de desemprego era de  7,4% da população economicamente ativa. Um índice muito elevado. O senso comum que desconhece essa informação levaria as pessoas a chamarem de vagabundos as pessoas que não conseguem trabalho ” que trabalho tem em todo lugar ” etc.  A imaginação sociológica entra aqui novamente. Se a taxa de desemprego fosse de 1% ou menos, facilmente o senso comum PODERIA ter razão. Eu digo ” poderia ” pois sempre devemos evitar a ciência espontânea. Nessa situação, a Ciência Sociais ainda deveria realizar um estudo caso a caso para determinar as causas desses desempregados. Em resumo, uma taxa de 7,4% de desemprego é um problema sociológico quanto uma taxa ínfima de 1% ou menos é um problema de caso.

E diversos outros problemas contemporâneos como ” bandido bom é bandido morto “, ” mulher só é estuprada porque procura “, ” mais médicos “, ” descriminalização das drogas”, “corrupção”, ” Grafitte/pixação ” …. todos esses temas devem ser abordados sempre utilizando essa ferramenta tão democrática que é a imaginação sociológica. Dificilmente um problema dentro de uma sociedade não será uma Coisa , um fato social do Durkheim.

A Ciência Espontânea e o Habitus com Bourdieu.

OK, até agora vimos que quando falamos sobre algo apenas objetivamente sem conhecer o que está subjetivamente implícito, corremos o risco de questionar de maneira supérflua e inconsistente sobre um determinado assunto.Alinhado ao pensamento de Wright Mills, Pierre Bourdieu diz que é preciso romper com o senso comum para que e possa construir um objeto científico. Antes de tudo, é preciso que o cientista abandone as pré-noções que o acompanham, que fuja aos entendimentos usuais que não são fruto de um processo reflexivo científico.

Entretanto, no mundo em que vivemos, as pessoas não são instruídas a terem um pensamento critico, reflexivo sob as coisas que o cerca, nem mesmo agora no mundo pós moderno, da globalização, da informação ao alcance de um click. O que temos é que cada vez mais é a manutenção e a perpetuação do senso comum sob a tutela do Vox Populi Vox Dei. Bourdieu conceituou isso como HABITUS ou seja, estruturas sociais e agentes individuais se alimentam continuamente numa engrenagem de caráter conservador.  Um exemplo disso: a dominação masculina, segundo o sociólogo Prof Cláudio Martins Nogueira (UFMG) se mantém não só pela preservação de mecanismos sociais mas pela absorção involuntária, por parte das mulheres, de um discurso conciliador. Na formação do habitus, a produção simbólica – resultado das elaborações em áreas como arte, ciência, religião e moral – constitui o vetor principal, porque recria as desigualdades de modo indireto, escamoteando hierarquias e constrangimentos.  

Para construir sua teoria, Bourdieu criou uma série de conceitos, como habitus e capital cultural. Todos partem de uma tentativa de superação da dicotomia entre subjetivismo e objetivismo. “Ele acreditava que qualquer uma dessas tendências, tomada isoladamente, conduz a uma interpretação restrita ou mesmo equivocada da realidade social”, explica Nogueira. A noção de habitus procura evitar esse risco. Ela se refere à incorporação de uma determinada estrutura social pelos indivíduos, influindo em seu modo de sentir, pensar e agir, de tal forma que se inclinam a confirmá-la e reproduzi-la, mesmo que nem sempre de modo consciente.

Agora imaginem o Senso Comum junto com esse sistema que se mantem e se reproduz. Temos ai uma boa forma de explicar como os pré-conceitos surgem e se mantem como “legítimos e em muitos casos, os bastiões da moralidade e da Ética em uma sociedade”.

Fontes: Diversas que eu perdi os links. mantive em negrito o que não é de minha autoria.

Anúncios

Um comentário sobre “Senso Comum + Habitus = criação e manutenção do preconceito numa sociedade conservadora?

  1. “Essa é a primeira postura que um estudante de sociologia ( e eu diria não apenas estes mas toda a sociedade ) deve adquirir ao longo do curso e da sua carreira.”

    Eu diria que é a primeira postura de todos os estudantes de ciências, sejam elas humanas/exatas/biológicas/da terra/whatever, pois tem em sua base, além da formação técnico científica a formação crítica, para se tornar um agente transformador na sociedade onde está inserido e fonte de geração de ciência, produtor de conhecimento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s