Notas sobre Opinião Pública e Habermas nos primórdios do surgimento do Estado liberal: sociedade inglesa pós fim do Absolutismo.

Editorial*

A  tomada de decisão do parlamento inglês, no principio da Era Pós Absolutismo, era decidida por um grupo muito homogêneo e com isso raramente acontecia divergência de interesse. Portanto um passo essencial no desenvolvimento da câmara estamental inglesa em direção a um parlamentarismo moderno, aconteceu quando as sessões passaram a ser publicas e, em conseqüência, ficaram sob “o controle supremo do povo” (Bentham). A Burguesia, convertida em público critico, seguia as sessões do parlamento, chegando a criar órgãos destinados a esse fim como jornais, clubes e círculos de debate.( googlar Edward Thompson e a Formação da Classe Operária Inglesa – clubes de correspondência) já que ” o uso público da razão deve ser concedido a todo indivíduo” ( Kant) pois somente sob essa premissa é possível por em pratica o principio da soberania de um povo.

Com a industrialização, logrou-se baratear a impressão de jornais e consequentemente produziu-se um enorme destaque da imprensa.

Os jornais, de “meros meios de publicação informativa” passaram a ser “meios de luta política partidária” enquanto o editor passou de ” vendedor de ultimas notícias” para ” comerciante da opinião pública”(Habermas).

(aqui pode traçar um paralelo com a mídia brasileira: quem são os donos dos jornais nos quais selecionam qual será a pauta e o tom da opinião publica?)

No entanto, os portadores desta opinião eram burgueses, que não saiam de sua esfera privada. Trata-se de uma “opinião pública constituída por indivíduos particulares”(Habermas),  cuja meta não era a tomada do poder político mas a dissolução do poder em geral, para instaurar a moral e a razão em nome do humanismo geral.  ( Alô Sharezard? Bonner ?Datena? )

Dessa Forma, a opiniao publica converteu-se praticamente em principio organizativo do Estado de direito liberal. A opinião pública politicamente ativa ( leia: os burgueses naquele tempo, o tal Mercado, hoje.)  estabeleceu-se no parlamento, como orgão do Estado. Sua tarefa era dar viabilidade aos interesses da sociedade burguesa ( aquela, restrita, que só quem tinha posse e cultura elevada podia fazer parte do clube). O principio da opinião pública constituiu um instrumento adequado para a burguesia, enquanto servia pra combater com êxito o absolutismo. ( hoje o inimigo da sociedade de Mercado, é outro mas a arma continua infalível).

” Na medida em que camadas não-burguesas irrompem na vida política publica e tomam posse de suas instituições, participando na imprensa, nos partidos e no parlamento, a arma da publicidade, forjada pela burguesia, volta sua ponta contra ela mesma”- Habermas.

Então o âmbito do social e em especial o da produção de bens, até o momento confiado a autonomia privada, teve que converter-se em objeto de discussão pública.

            *Resenha de um trecho do livro Política e Sociedade Volume 1 dos autores Fernando Henrique Cardoso e Carlos Stevam Martins, comentados pelo  Editor deste veículo de informação e talvez, formador de opinião pública.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s